☰ |13º|
 

2017 - GTs do 13º Colóquio de Moda

INSCRIÇÕES ABERTAS!

INSCREVA-SE:https://app.eventmaster.com.br/event/moda13/registration

| EDUCAÇÃO: TEORIA E PRÁTICA EM MODA

Este GT discute o ensino de Moda no Brasil, por meio do estudo, da reflexão e da discussão de teorias que o embase; modelos pedagógicos; processos de sala de aula; novas tecnologias no ensino; a visão do aluno e a postura do profissional (continuidade/ruptura), através da educação formal. Pretende, ainda, ampliar a reflexão sobre as questões pedagógicas e os processos de formação no âmbito da Moda, e do Design de Moda que dialoguem em campos conexos e lugares distintos. Os espaços de formação profissional, os lugares, a memória e os saberes na constituição do profissional de Moda.


Profa. Dra. Mara Rúbia Sant’Anna

Instituições de vínculo: UDESC/SC

Doutora em História pela UFRGS; Mestre em História pela UFSC; Pós-doutorado em História pelaUniversité de Strasbourg (FR). Líder do grupo de pesquisa Sociedade e Moda. Professora efetiva da UDESC/SC e membro permanente do Mestrado em História da mesma instituição. Autora dos livros: O velho no espelho (2000); Teoria de Moda (2007/09) e Elegância, beleza e poder (2014).


Profa. Dra. Maria de Fátima da S. Costa G. de Mattos

Instituições de vínculo: CUML/SP

Doutora em Artes pela ECA/USP; Mestre em História pela FHDSS/UNESP. Professora de História da Arte na graduação. Docente Pesquisadora do PPG Educação (Mestrado) do Centro Universitário Moura Lacerda/RP com ênfase em Ensino de Artes, Estudos Culturais; Cultura Material Escolar, Práticas e Representações dos Espaços na Arquitetura Escolar. Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Moda (ABEPEM); Presidente do Colóquio de Moda. Pesquisadora do Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidade Culturais (IPCCIC). Co-autora do livro História e Cultura de Moda e Organizadora do livro Pesquisa e Formação em Moda, ambos pela Estação das Letras e Cores.


Dra. Cyntia Tavares Marques de Queiroz

Instituições de vínculo:


  • ANDRÉ, Marli (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2001.
  • COSTA, Jurandir. O vestígio e a aura – corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.
  • ESTEBAN, M.T., ZACCUR, E. (orgs.) Professora-pesquisadora: uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP & A, 2002.
  • LIPOVETSKI, Gilles. O Império do Efêmero. São Paulo: Cia das Letras, 1991.
  • MAFFESSOLI, Michel. No fundo das Aparências. Petrópolis: Vozes, 1997.
  • MATTOS, M.F.S.C.G. de (org). Pesquisa e formação em Moda. Sâo Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • MORIN, E. A religação dos saberes. O desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
  • OLIVEIRA, A. C.; CASTILHO, K. Corpo e moda- por uma moda contemporânea. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.
  • SANT’ANNA, Mara Rúbia. Teoria de Moda. São Paulo: Estação das Letras e das Cores, 2007.
  • ZEICKNER , K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e professor acadêmico. In: GERALDJ, Corinta M. G., FIORENTINI, Dario, e PEREIRA, Elisabete M. de A. Cartografias do Trabalho Docente. Campinas-SP: Mercado das Letras, 1998.

| CONSUMO DE MODA

Este GT propõe a discussão de estudos que reflitam a pesquisa sobre consumo de moda. O objetivo é analisar as relações de consumo de moda quer sejam estas entre pessoas ou entre pessoas e objetos e o contexto no qual essas relações se dão enfatizando a compreensão das comunidades de consumo, e o estudo de estratégias, sobretudo de marcas, como recursos de construção de significados entre empresas e sociedade. Incluem-se aqui estudos que utilizem metodologias qualitativas e/ou quantitativas com foco tanto no consumidor final (processos intraindividuais, interpessoais e sociais do consumo) bem como, o comportamento do comprador organizacional.


Ana Paula Celso de Miranda

Instituições de vínculo: Universidade Federal de Pernambuco – UFPE; Instituto de Pós-Graduação em Administração – COPPEAD – Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Administradora pela Universidade de Pernambuco (UPE), mestre em administração pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) com dissertação em comportamento de consumo de moda, doutora em Administração de Empresas na Universidade de São Paulo (USP) com tese em consumo de marcas de moda. Pesquisadora convidada do Departamento de Negócios da Moda da Universidade de Manchester (Reino Unido) e COPPEAD-UFRJ onde atualmente faz pós-doutorado. Possui trabalhos publicados em congressos e encontros no Brasil, Argentina, Colômbia, Chile, Espanha, Venezuela, Peru, Itália e Estados Unidos, na edição brasileira da Fashion Theory, na International Journal of Marketing Studies e na revista Dobras. Professora das disciplinas: Moda e Consumo e Moda e Cinema no curso de Design do CAA-UFPE onde é líder do G-COMO - Grupo de Estudos de Consumo de Moda. Implementou, coordenou e foi professores dos cursos sequencial em varejo de moda, da graduação em Design e do MBA em Moda e foi professora do Mestrado em Gestão Empresarial nas disciplinas de Teoria de Consumo e Sistema de Moda da Faculdade Boa Viagem-FBV; foi professora da graduação em Negócios de Moda e da pós- graduação lato sensu em Jornalismo de Moda e Estilo de Vida e a especialização em Cultura de Moda da Universidade Anhembi Morumbi-UAM bem como da pós-graduação Criação de Imagem e Styling de Moda do SENAC-SP. Faz parte da diretoria da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda (ABEPEM) onde participa das comissões cientificas do colóquio de moda e onde foi coordenadora Grupos de Trabalho nas temáticas Marketing, Negócios de Moda, Moda e Comunicação e Consumo de Moda desde a terceira edição; bem como da comissão cientifica do CIMODE - Congresso Internacional de Moda e Design e do SIEP-Consumo -Seminário Internacional de Estudos e Pesquisas em Consumo. Autora de um capitulo do livro 46 livros de moda que você não pode deixar de ler e do livro 10 anos de Colóquio de Moda, co-autora do livro Moda é comunicação: experiências, memórias, vínculos e autora de Consumo de Moda - a Relação Pessoa-Objeto.


Olga Maria Coutinho Pépece
Instituições de vínculo: Universidade Estadual de Maringá

Pesquisadora nas áreas de Teorias de Cultura e Consumo, Comportamento do Consumidor e Administração Mercadológica, sendo uma das pioneiras no Brasil na investigação sobre comportamento de compra de presentes. Professora da Graduação e Pós Graduação Stricto Sensu na Universidade Estadual de Maringá. É membro do GIPEM - Grupo Interdisciplinar de Pesquisas e Estudos de Marketing e do G-COMO - Grupo de Estudos de Consumo de Moda. Possui Graduação em Administração pela Universidade Estadual de Londrina UEL (1997), Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Paraná UFPR (2000) e Doutorado em Administração com Ênfase em Comportamento do Consumidor pela Universidade Federal do Paraná UFPR (2009).


  • BARTHES, Roland. Sistema da Moda. 35ª ed. Lisboa: Edições 70, 1999.
  • BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos Ed. Lisboa: Edições 70, 1995.
  • CASTILHO, Kathia. Moda e Linguagem. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2004.
  • DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens – para uma antropologia do consumo. 1ª Ed. Rio de Janeiro: UFRJ Editora, 2004.
  • GARCIA, M.C. & MIRANDA, A.P. de Moda é comunicação: experiências, memórias, vínculos. Coleção Moda & Comunicação. Coordenação: Kathia Castilho. 2 ª. ed., São Paulo; Ed. Anhembi Morumbi. 2005.
  • McCRACKEN, Grant. Cultura & Consumo - novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e atividades de consumo. Coordenação: Everardo Rocha. 1ª Ed. Rio de Janeiro, Mauad, 2003.
  • MIRANDA, A.P. de Consumo de Moda – a relação pessoa-objeto. 2ª Ed. São Paulo: Ed. Estação das Letras. 2017.

| CORPO, MODA, COMUNICAÇÃO

O corpo vestido é o princípio e o fim dos processos de significação do sujeito, e cada cultura serve-se dos corpos e das vestimentas que adota para a construção de si mesma, o que é decisivo para os processos de construção identitária em relação às demais culturas. Manutenção e mudança de valores orientam as atuações dos corpos vestidos para produzirem os regimes de presença do sujeito e da coletividade no social. Esses regimes de presença definem os regimes de visibilidade, de sociabilidade, a partir do “parecer”, isto é, a condição do sujeito se fazer ser. A roupa e a moda em suas articulações com o corpo processam a produção semiótica do sentido que é posta em circulação. Nas operações discursivas da enunciação, nos enunciados produzidos, o sujeito enuncia a sua aparência com os seus modos de presença no mundo, construindo as marcas de sua identidade e as comunicando. Como presença, o corpo e a moda, numa linguagem imbricada, produzem sentidos aos sujeitos, significando-os e dotando-os de competência para realizar performances diversas, dentre as quais a própria comunicação. Tais premissas norteiam os trabalhos deste atelier, que trata das manifestações do corpo e da moda como processos de comunicação em objetos e práticas semióticas, nos quais entram na manifestação linguagens diversas em sincretismo.


Profa. Dra. Ana Claudia Mei Alves de Oliveira

Instituições de vínculo: PUC-SP

Pós-Doutora pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, EHESS, França. Membro fundadora do Centro de Pesquisas Sociossemióticas (CPS), no qual atua como codiretora, desde 1994. Professora titular da PUC-SP, é pesquisadora e docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, no eixo teórico da Semiótica, com abordagens do campo da Comunicação, da Arte, do Corpo e da Moda.


Prof. Dr. Marcelo Machado Martins
Instituições de vínculo: UFPE: CAA; UFRPE: PGCDS

Doutor e Mestre em Semiótica e Linguística Geral pela FFLCH-USP. Presidente do Congresso de Iniciação Científica em Design e Moda (Colóquio de Moda / ABEPEM). Professor Associado da UFPE: CAA (núcleo de Design e Comunicação) e docente-pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Consumo, Cotidiano e desenvolvimento Social da UFRPE-sede.


  • BARTHES, Roland. Sistema da moda. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979.
  • CASTILHO, Kathia. Moda e Linguagem. 2. ed. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2004.
  • CLEMENTE, Mariana Braga. Moda e modos de consumo no Brasil do século XX: revistas e a construção de aparências. Dissertação de Mestrado PUC-SP/COS, 2015.
  • CORBIN, Alain.; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. (orgs.). História do corpo: da revolução à grande guerra. Petrópolis: Vozes, 2008.
  • HOLLANDER, Anne. O Sexo e as Roupas - a evolução do traje moderno. Rio de Janeiro: Rocco. 1996.
  • LANDOWSKI, Eric, DORRA, Raúl e OLIVEIRA, Ana Claudia de. (orgs.). Semiótica, estesis, estética. São Paulo: Educ/Uap, 1999.
  • –––––––––– Interações arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e das Cores., 2005.
  • –––––––––– "Por uma semiótica sensível". Revista Educação & Realidade. Porto Alegre, n. 30(2): 93 - 106 jul/dez - 2005.
  • LE BRETON, David. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas: Papirus, 2003.
  • LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • MARTINS, Marcelo M. e CASTILHO, Kathia. Discursos da Moda: semiótica, design e corpo. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2005.
  • OLIVEIRA, Ana Claudia de. "Da boneca às bonequinhas: uma mesma imagem de construção do corpo." Revista DeSignis, v. 1, p. 159-167. 2001.
  • ––––––––––. "Corpo, roupa nas inter-relações semióticas da comunicação”. Revista dObra[s], São Paulo, Estação das Letras e Cores, v. 3, p. 58-72. Jun/2009.
  • –––––––––– (Org.). As interações sensíveis. São Paulo: Estação das Letras e das Cores, 2013.

| MODA, CULTURA E HISTORICIDADE

Este Grupo de Trabalho discute questões relativas à história e historicidade da moda e da indumentária, com ênfase nos estudos relacionados ao Brasil. Serão bem-vindas reflexões a respeito das diferentes perspectivas e abordagens empregadas na análise da indumentária e da moda, especialmente a partir: da cultura material; do modo como os documentos (imagens, trajes, fontes textuais, filmes, entre outros) informam sobre história da moda e da indumentária; da produção historiográfica; das mudanças socioculturais e econômicas e suas relações com o comércio, consumo e indústria da moda; além das transformações e permanências das formas vestimentares historicamente.


Maria do Carmo Teixeira Rainho

Instituições de vínculo: Arquivo Nacional | Museu Histórico Nacional

Doutora em História pela UFF, mestra em História Social da Cultura pela Puc-Rio. Pesquisadora do Arquivo Nacional, atuando em projetos de difusão do acervo institucional, tais como livros, sites e exposições. Membro do Conselho Editorial da revista Acervo e curadora do Arquivo Nacional no portal Brasiliana Fotográfica. Desde 2016 desenvolve ações na área de pesquisa e divulgação das coleções de indumentária do Museu Histórico Nacional. Autora dos livros Moda e revolução nos anos 1960, Ed. Contra Capa, 2014; A cidade e a moda: novas pretensões, novas distinções – Rio de Janeiro, século XIX, Ed. UnB, 2002, além de textos e artigos nas áreas de história e teoria da moda, cultura visual, história da fotografia. Acesso ao CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/1805110945057633


Rita Morais de Andrade
Instituições de vínculo: Universidade Federal de Goiás

Professora Associada da Universidade Federal de Goiás. Atua no Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual e no Bacharelado de Design de Moda da Faculdade de Artes Visuais. Editora executiva da revista Visualidades, periódico Qualis A2 em Artes. Doutora em História Cultural pela PUC de São Paulo, mestra em História dos Têxteis e da Indumentária pela Universidade de Southampton – Reino Unido. Especializada em Museologia pela FESP de São Paulo SP. Realizou estágio pós-doutoral no Programa Avançado de Cultura Contemporânea - PACC/UFRJ entre 2013-14, com tema de pesquisa “Coleções de Indumentária em Museu Brasileiros”, cujos resultados foram publicados na revista MUSAS, n.7, 2016. Temas atuais de pesquisa: indumentária brasileira, patrimonialização e curadoria. Acesso ao CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/0652175469093010


  • ANDRADE, Rita M; ROOT Regina A. (eds.). “Brazilian Fashion”. Fashion Theory: the journal of dress, body and culture (special issue).Volume 20.2, February, 2016.
  • BARTHES, Roland. Inéditos vol. 3: imagem e moda. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
  • BENJAMIM, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Obras Escolhidas: Magia, Técnica, Arte e política. São Paulo, Brasiliense, 1985.
  • BONADIO, Maria Claudia. Moda e publicidade no Brasil nos anos 1960. São Paulo: Nversos, 2014.
  • BONADIO, Maria Claudia e MATTOS, Maria de Fatima. História e cultura de Moda. São Paulo: Estação das Letras e das Cores, 2011.
  • BREWARD, Christopher. Fashion. Oxford, New York: Oxford University Press, 2003.
  • CALANCA, Daniela. História social da Moda. São Paulo: Senac, 2008.
  • CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.
  • CRANE, D. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. São Paulo: Senac, 2006.
  • DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
  • FORTY, Adrian. Objetos de desejo. Design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
  • HALL, Stuart . A identidade cultural na pós-modernidade. LOURO, Guacira Lopes; SILVA, Tomaz Tadeu. Edição: 11ª. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
  • RAINHO, Maria do Carmo. Moda e revolução nos anos 1960. Rio de Janeiro: Contracapa, 2014.
  • ROCHE, Daniel. A cultura das aparências: Uma história da indumentária (séculos XVII-XVIII). São Paulo: Senac, 2007.
  • STEELE, Valerie. The Berg Companion to Fashion. Oxford/New York: Berg, 2010.
  • TAYLOR, Lou. Establishing dress history. Manchester/ New York: Manchester University Press, 2004.
  • TAYLOR, Lou. The study of dress history. Manchester/ New York: Manchester University Press, 2002.
  • VOLPI, Maria Cristina. O vestuário como principio de leitura do mundo. Associação Nacional de História – ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – 2007. http://snh2007.anpuh.org/resources/content/anais/Maria%20Cristina%20V%20Nacif.pdf

| MODA E MÍDIA

O GT tem como objetivo discutir a relação da moda com a mídia a partir das maneiras pelas quais os veículos de comunicação (revista, televisão, cinema e internet entre outros) captam, elaboram, criam e propagam objetos do design e do vestuário na vida social. Por outro lado, investigações sobre o consumo dessa produção também entram em pauta. Assim, são bem vindas inquietações teóricas relativas a estas temáticas, desde que a interface moda e mídia ou os processos de midiatização da moda estejam contemplados.


Dra. Solange Wajnman

Dra. Daniela Maria Schmitz

  • BRAGA, José Luiz. Constituição do Campo da Comunicação. Verso e Reverso.Revista da Unisinos, São Leopoldo, RS. Vol. XXV, nº. 58, jan-abr, 2011.
  • CALANCA, Daniela. História Social da Moda. São Paulo: Senac 2008.
  • AMPBELL, Colin e BARBOSA, Lívia (org.). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
  • CARDOSO, Denis Rafael.Uma introdução à história do design. São Paulo:2008.
  • CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2008.
  • CRANE, Diana. Ensaios sobre moda, arte e globalização cultural. São Pauolo: Editora Senac, 2011.
  • HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1994.
  • LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • MATTOS, Maria Ângela; JANOTTI Junior, Jeder; JACKS, Nilda. (Orgs.) Mediação e Midiatização. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2012.

| DESIGN E PROCESSOS PRODUTIVOS EM MODA

Este grupo de trabalho analisa, debate e reflete questões relacionadas ao design têxtil e do vestuário, da concepção à produção de artefatos e serviços com valor de moda, apreciando, em especial, os processos criativos éticos. Dentre os tópicos que alimentam e estimulam as discussões, destaca-se a gestão do design, incluindo pré-design, co-design, pós-design e os mais variados métodos de desenvolvimento de novos produtos e serviços; o processo de tomada de

decisão considerando as tendências contemporâneas da relação produção-consumo, reflexões sobre o ciclo de vida dos produtos e as dinâmicas relacionadas a arranjos produtivos e de mercado; a transposição das necessidades humanas em parâmetros projetuais tangíveis e não tangíveis (técnicos, funcionais e simbólicos); a interpretação e a decodificação dos fatores e variáveis ambientais, sociais, culturais e mercadológicos que influenciam a mentalidade e o comportamento do consumidor e suas reverberações na atividade projetual; tecnologias sociais e industriais de produção de tecidos, roupas e acessórios; estudos antropométricos e ergonômicos aplicados a produtos vestimentares. Vale lembrar que outras temáticas não citadas, mas que tangenciem o escopo descrito são bem-vindas.

Sandra Regina Rech

Instituições de vínculo: UDESC

Pós-Doutorado em Design (2015/2016) pelo Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design - Faculdade de Arquitetura - Universidade de Lisboa, Doutorado (2006) e Mestrado (2001) em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina, Licenciatura em Educação Artística (1991) pela Universidade de Caxias do Sul. Docente Associado VIII da Universidade do Estado de Santa Catarina - Centro de Artes - Departamento de Moda, líder do Grupo de Pesquisa Design de Moda e Tecnologia (UDESC/CNPq) e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Moda (PPGMODA/UDESC). Coordenadora do laboratório FPLab - Futuro do Presente - UDESC, investigadora colaboradora no CIAUD - FA - ULISBOA e pesquisadora na plataforma TrendsObserver (Portugal). Membro do Grupo de Pesquisa LOGO (UFSC/CNPq) e do GP Design e Subjetividade (UVA/CNPq). Editora-chefe do ModaPalavra e-periódico (UDESC) e membro do Conselho Editorial da e-revista LOGO (UFSC) e da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda (ABEPEM). Avaliadora do sistema Sinaes-BASis-INEP. Concentra suas pesquisas nos seguintes temas: design de moda, estudos de tendências, grounded theory, cultura do consumo, pesquisa qualitativa, metodologias.


Maria Alice Vasconcelos Rocha
Instituições de vínculo: UFRPE

Doutora em Design de Moda - PhD in Fashion Design - University for the Creative Arts / University of Kent (2007); Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Pernambuco (1999); Especialista em Comunicação de Moda pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992); Estilista de Moda em Confecção Industrial pelo Senai CETIQT-RJ (1992) e Arquiteta pela Universidade Federal de Pernambuco (1989). Atualmente é professora do Departamento de Ciências Domésticas da Universidade Federal Rural de Pernambuco, onde também atua como supervisora da área de Arte, Habitação e Vestuário. É membro do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Consumo, Cotidiano e Desenvolvimento Social da Universidade Federal Rural de Pernambuco e do Programa de Pós-Graduação em Design da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Desenho Industrial e Economia Doméstica, com ênfase em Design de Moda, Design Têxtil e Design de Vestuário, atuando principalmente nos seguintes temas: comportamento, consumo, desenvolvimento de produto, tecnologia, gestão e estratégia.


Anne Anicet Ruthschilling
Instituições de vínculo: UNIRITTER

Doutora em Design pela Universidade de Aveiro com pesquisa na área de design e desenvolvimento de moda sustentável. Possui Mestrado em Design e Marketing do Vestuário pela Universidade do Minho (2009), Bacharelado em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004) e Graduação em Tecnólogo em Moda e Estilo pela Universidade de Caxias do Sul (1999). É Professora do Bacharelado em Design de Moda e do Mestrado em Design da Uniritter Laureate International Universities. É sócia gerente da Anne Anicet Confecções e Serviços em Moda e Estilo Ltda (AA Moda), sendo responsável pela criação e produção da marca Contextura.


  • ABLING, Bina ; MAGGIO, Kathleen . Moulage, Modelagem e Desenho. Porto Alegre: Bookman, 2014.
  • ANICET, A.; BESSA, P. ; BROEGA, Cristina. . A quantificação da sustentabilidade no design têxtil. In: Ana Mery Sehbe de Carli; Bernadete Lenita Susin Venzon. (Org.). Moda, sustentabilidade e emergências. 1ªed.Caxias do Sul: EDUCS, 2012, v. 1, p. 135-147.
  • BRIGGS-GOODE, Amanda. Design de estamparia têxtil. Porto Alegre: Bookman, 2014.
  • CALDAS, Dario. Observatório de sinais: teoria e prática da pesquisa de tendências. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2004.
  • CRANE, Diana. A moda e seu papel social: Classe, gênero e identidade das roupas. São Paulo: Ed. Senac, 2006.
  • FISCHER, Anette. Construção de Vestuário. Série Fundamentos do Design de Moda. Porto Alegre: Bookman, 2010.
  • FRINGS, G. S. Moda do conceito ao consumidor. Tradução de Mariana Belloli. Porto Alegre: Bookman, 2012.
  • MORAES, Dijon de. Metaprojeto: o design do design. São Paulo: Edgard Blucher, 2010.
  • RECH, S. R.. Inovação Centrada no Usuário. In: Mara Rúbia Sant'Anna; Sandra Regina Rech. (Org.). Brasil: 100 anos de moda - 1913 a 2013. 1ed.Florianópolis/SC: UDESC, 2014, v. 1, p. 39-41.
  • RECH, S. R.; CARDIM, V. C.. O Processo da Pesquisa Qualitativa na Investigação de Tendências. In: Isabel Cristina Italiano; João Paulo Marcicano; Júlia Baruque Ramos; Maria Sílvia Barros de Held; Regina Aparecida Sanches. (Org.). Pesquisas em Design, Gestão e Tecnologia de Têxtil e Moda:1º semestre de 2015. 01ed.São Paulo / SP: EACH/Universidade de São Paulo, 2016, v. 01, p. 39-46.
  • ROCHA, M. A. V.. CONEXÕES CONCEITUAIS ENTRE MODA, VESTUÁRIO, DESIGN E ARTE. In: CAMPOS, G. B.; SILVA, J. (orgs.). (Org.). Design, Arte, Moda e Tecnologia. São Paulo: Rosari, Universidade Anhembi Morumbi, PUC-Rio e Unesp-Bauru, 2010, v. , p. 1-12.
  • ROCHA, M. A. V.. Reflexões Sobre o Consumo de Moda-Vestuário via Rede Social: implicações no design de produtos. In: Mara Rúbia Sant'Anna; Sandra Regina Rech. (Org.). Brasil: 100 anos de Moda - 1913 a 2013. 1ed.Florianópolis: Editora UDESC, 2014, v. 01, p. 51-68.
  • RÜTHSCHILLING, Evelise Anicet. Design de Superfície. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2008.
  • SABRÁ, Flávio. Modelagem: tecnologia em produção de vestuário. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2009.
  • SALEM, Vidal; DE MARCHI, Alessandro; MENEZES, Felipe Gonçalves de. O beneficiamento têxtil na prática. São Paulo: Golden, 2005.
  • SEIVEWRICHT, Simon. Fundamentos de Design de Moda: Pesquisa e Design. Porto Alegre: Editora Bookman, 2009.
  • SISSONS, Juliana. Malharia. tradução técnica: Bruna Pacheco. Porto Alegre: Bookman, 2012.
  • SLACK, Nigel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da produção. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
  • UDALE, Jenny. Tecidos e Moda. tradução técnica: Luiz Carlos Robinson.Porto Alegre: Bookman. 2009.

| MODA E TERRITÓRIOS DE EXISTÊNCIA: PROCESSOS DE CRIAÇÃO E DE SUBJETIVAÇÃO

Este GT pretende abordar a Moda como um dispositivo atrelado à subjetividade, capaz de maquinar territórios estéticos e existenciais. Seu modo de funcionamento visa acentuar sua complexidade, desdobrando-se em constantes diálogos com vários campos do saber, tais como as artes visuais, a antropologia, a arquitetura, o design, a filosofia, a literatura, a psicanálise, a performance. Neste sentido, nossa intenção é investigar transversalidades; ressaltar a cartografia como método de pesquisa e enfatizar processos de criação híbridos que redimensionem a própria conceituação dos vestíveis e da moda, expandindo linhas de compreensão e gerando novas abordagens e experimentos.


Prof. Dra. Cristiane Mesquita

Instituições de vínculo: Universidade Anhembi Morumbi – São Paulo

Doutora e Mestre em Psicologia pelo Núcleo de Estudos da Subjetividade - PUC-SP. Psicóloga, professora e pesquisadora do PPG Design e tutora do Programa Intedisciplinar Comunitario da Escola de Ciências da Saúde na Universidade Anhembi Morumbi. Coordena o GEzz: Grupo de estudos ziguezague: transversalidade e design e os Projetos de Pesquisa CUIDE-SE [o cuidado de si: conexões entre Design, processos de subjetivação e Arte contemporânea] e Design e conspiração: perspectivas em ziguezague entre Arte e Filosofia. Seus principais eixos de pesquisa incluem interações entre processos de criação, corpo, subjetividade, roupa, psicanálise e arte contemporânea.


Prof. Dra. Rosane Preciosa
Instituições de vínculo: UFJF – Universidade Federal de Juiz de Fora

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Teoria da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002), sob orientação de Suely Rolnik. Atualmente é professor adjunto IV do Instituto de Artes e Design (IAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. Pesquisa Moda/Roupa e seus diálogos transversais: cultura contemporânea, arte e modos de subjetivação.


  • AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo e outros ensaios. Chapecó: Editora Argos, 2009.
  • ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2013.
  • CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
  • DELEUZE, Gilles e PARNET, Claire. z de ziguezague. In BOUTANG Pierre-André (Dir). O Abecedário de Gilles Deleuze. Paris: Éditions Montparnasse, 1988-1989. Transcrição disponível em: http://escolanomade.org/pensadores-textos-e-videos/deleuze-gilles/o-abecedario-de-gilles-deleuze-transcricao-integral-do-video Vídeo disponível em https://www.youtube.com/watch?v=FPp8uC2WqYc Acesso em: 01 nov. 2016.
  • DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Trad. Aurélio Guerra e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
  • FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. Cosac Naify, São Paulo, 2007.
  • GINZBURG, Carlo. Sinais: Raízes de um paradigma indiciário in Mitos, Emblemas e Sinais: Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • LIPOVETSKY, Gilles. O Império do Efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2009.
  • MESQUITA, Cristiane e PRECIOSA, Rosane (Orgs). Moda em ziguezague: interfaces e expansões. São Paulo: Estação das Letras, 2011.
  • MESQUITA, Cristiane. Moda Contemporânea: quatro ou cinco conexões possíveis. 2a Imp. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2010.
  • __________________. Políticas do vestir: recortes em viés. Tese de Doutorado. Orientação: Prof. Dra. Suely Belinha Rolnik. PPG Psicologia. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade. PUC SP, 2008.
  • PELBART, Peter Pál. A Vertigem por um fio. Políticas da Subjetividade Contemporânea. São Paulo, Ed. Iluminuras, 2000.
  • _________________. Vida Capital: ensaios de biopolítica. Iluminuras. São Paulo, 2003.
  • PRECIOSA, Rosane. Produção Estética: notas sobre roupas, sujeitos e modos de vida. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2005.
  • _________________.. Rumores Discretos da Subjetividade: sujeito e escritura em processo. Porto Alegre: UFRGS/Ed. Sulina, 2010.
  • ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2ª.ed. 2016.

| MODA E ESTILOS DE VIDA

A proposta deste GT é abordar a moda a partir de sua expressão por meio dos estilos de vida, com ênfase nos referenciais teóricos e metodológicos da antropologia e da sociologia urbana, destacando as abordagens da cultura do consumo, do debate acerca dos novos aspectos demográficos, especialmente os que dizem respeito aos jovens e idosos, e das questões de gênero e não gênero que se articulam no campo da moda e da pesquisa antropológica. O espaço urbano e suas identidades plurais, bem como a ampliação da discussão da cultura de moda, com a incorporação das novas práticas que a cultura digital traz para esse debate, estão presentes na discussão do grupo. A moda aparece nesse contexto como uma das formas mais visíveis dos fenômenos da cultura urbana e como uma narrativa privilegiada para a compreensão do contemporâneo.


Maria Eduarda Araujo Guimarães

Instituições de vínculo: Centro Universitário SENAC São Paulo

Doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP, pesquisadora da área de cultura e consumo, com ênfase nas relações da moda com os estilos de vida e nas suas expressões na cultura popular. Líder do grupo de pesquisa em Cultura e Comportamento do diretório de grupos do CNPQ.


Elisabeth Murilho da Silva
Instituições de vínculo: Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP, atua no Programa de Mestrado em Artes, Cultura e Linguagens da UFJF. É organizadora do livro Sociabilidade Juvenil e Cultura Urbana (2009).


  • Abramo, H. Cenas juvenis – punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo, Scritta, 1994.
  • Butler, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
  • Canclini, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.
  • Canevacci, Massimo. Culturas extremas: mutações juvenis no corpo da metrópole. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
  • Crane, Diana. A Moda e seu papel social - classe, gênero e identidade das roupas. São Paulo, Senac, 2006.
  • Debert, Guita Grin. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2004.
  • Erner, Guillaume. Sociologia das tendências. São Paulo, GG Brasil, 2015.
  • Featherstone, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.
  • Giddens, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.
  • ________, A transformação da intimidade. São Paulo, Unesp, 2003.
  • Goddart F. Sociologia da moda. São Paulo, Senac, 2010.
  • Hall, S. Identidade cultural na pós-modernidade.Rio de Janeiro: DP&A, 2004.
  • Magnani, José Guilherme C. (org.) Jovens na metrópole. São Paulo, Terceiro Nome, 2007.
  • Mauss, Marcel. Sociologia e Antropologia. Cosac Naify, 2003.
  • Miller, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
  • Pisani, Francis; Piotet, Dominique. Como a web transforma o mundo: a alquimia das multidões. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.
  • Sahlins, M. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
  • Sennett, R., O declínio do homem público - as tramas da intimidade. Rio de Janeiro, Record, 2014.

| MODA E TECNOLOGIA

O objeto de estudo do GT Moda e Tecnologia são as relações entre moda, tecnologias emergentes e design essencial, abordando as novas configurações da moda na cultura da convergência. Trafegando em redes sociais, a moda flui entre distintos espaços - o corpo, a casa, o mercado, a aldeia, a metrópole – gerando uma perpétua mobilidade e intercâmbio entre imagens e modos de vida (TOWSEND, 2014; DE WAAL, 2014; OFFENHUBER e RATTI, 2014). As mídias sociais digitais fortalecem esse contexto, uma vez que são meios pelo quais as redes sociais são construídas e o conteúdo online é compartilhado e propagado (RECUERO, 2009). São de interesse do GT o design de moda em 3DPrinting, a criação de wearables, as relações entre moda e Internet das Coisas, as relações entre moda e smart cities, a produção e gestão de aplicativos para negócios de moda, e-commerce e m-commerce, digital styling, digital merchandising, Big Data e métricas para mídias sociais digitais em moda, publicidade de moda para multiplataformas, produção e gestão de conteúdo de moda online, fashion blogging, fashion films em 360, narrativas imersivas para moda, EaD para negócios de moda e empreendedorismo de moda no universo online.


Maria Carolina Garcia

Instituições de vínculo: Centro Universitário Belas Artes De São Paulo

Maria Carolina Garcia é doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Pioneira nos estudos de comunicação de moda online no Brasil nos anos 1990, é Head de Design do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, onde criou e coordena a graduação em Mídias Sociais Digitais. Tem 20 anos de experiência docente e profissional, como consultora em comunicação para negócios da moda.


Marcelo Mendonça
Instituições de vínculo: FAUUSP

Marcelo Mendonça possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP(1988), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP(2005) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP(2010) realizando pesquisa de Pós Doutoramento na FAUUSP, com previsão de finalização em 2017. Atualmente é responsável pela empresa MM Arquiteturas Gerais Ltda, desenvolvendo empreendimentos imobiliários, projetos e gestão de incorporação. Tem mais de 25 anos de experiência na área acadêmica como docente e 39 anos de experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Estudo de Viabilidade, Planejamento, Coordenação e Gestão de Projetos e Obras de Edificações, Planos Diretores e Legislação Urbana.


Marcia Siqueira Costa Marques
Instituições de vínculo: Centro Universitário Belas Artes De São Paulo

Márcia Siqueira Costa Marques é doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Pesquisadora da Cibercultura, atua como docente em cursos de graduação e pós-graduação em Mídias Sociais, Publicidade e Propaganda e Design de Animação. Tem mais de 20 anos de experiência em gestão da comunicação corporativa em ambientes presenciais e digitais. É docente do curso superior de Tecnologia em Mídias Sociais Digitais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo.


  • CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro, Zahar, 2003.
  • DE WAAL, Martin. The city as interface. How new media are changing the city. Amsterdam: Naio10publishers, 2014.
  • DUTTON, W. H. “Internet Studies: The Foundations of a Transformative Field”. In: DUTTON, William H. (Ed.). The Oxford Handbook of Internet Studies. Oxford: Oxford University Press, 2013.
  • FLORIDA, Richard. A Ascensão da Classe Criativa. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.
  • FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2008.
  • JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2ª ed. São Paulo: Aleph, 2009.
  • MOORE, Gwyneth. Promoção de Moda. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.
  • OFFENHUBER, Dietmar; RATTI, Carlo. Decoding the city. Urbanism in the age of Big Data. Boston: MIT/SENSEable City Lab, 2014.
  • RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.
  • TOWNSED, Anthony. Smart Cities: Big Data, Civic Hackers, and the Quest for a New Utopia. USA: Norton & Company, 2014.

| MODA E SUSTENTABILIDADE

Sustentabilidade no campo da moda e nas dimensões econômica, ambiental, social e cultural é o tema central deste Grupo de Trabalho. A importância dada a sustentabilidade na moda é crescente nos cursos universitários, nos últimos 10 anos. Esse fato pode ser constatado nos projetos de pesquisa, nas publicações, nos conteúdos transversais que irrigam as disciplinas na graduação, nos programas de extensão e também nas ações patrocinadas por grandes empresas da moda. O espaço está aberto neste GT para as investigações que buscam soluções de baixo impacto ambiental para as etapas de pré-produção, produção, distribuição, uso e descarte dos produtos gerados pela indústria da moda. Pensar sustentabilidade como um sistema integrado que envolva todas as etapas e ainda invista na mudança cultural que propõe não a propriedade de determinados produtos, mas o uso compartilhado. Outros grandes questionamentos das pesquisas são: Como a concepção do produto, a partir da análise do ciclo de vida, pode contribuir para diminuir e até evitar o resíduo têxtil? Como reciclar, reutilizar e/ou eliminar este resíduo em escala compatível com a produção? Como ensinar o consumidor a evitar desperdícios de recursos na manutenção dos produtos de moda? Além da pesquisa o ensino e a prática da sustentabilidade nos currículos acadêmicos são temáticas de discussão no GT. E, os projetos de extensão que focam a sustentabilidade social promovendo a capacitação e renda para comunidades de risco ou para comunidades criativas são bem vindos ao debate deste grupo.


Ana Mery Sehbe De Carli

Instituições de vínculo: Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Comunicação e Semiótica, PUCSP, 2007. Profa. do Centro de Artes e Arquitetura da Universidade de Caxias do Sul. Idealizadora e coordenadora do Simpósio Nacional de Moda e Tecnologia (2005...) da UCS. Coordenadora do GT Moda, sustentabilidade e inclusão do Colóquio de Moda. Membro do comitê científico do CIMODE e do Colóquio de Moda. Prêmio de Economia Criativa do Ministério da Cultura, 2012, com o projeto de pesquisa Moda no Terceiro Milênio: novos valores novas práticas. Membro do colegiado de Moda, na Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura (2013/2015). Autora e/ou organizadora de livros como: O sensacional da Moda (2002); Moda sustentabilidade e emergências (2012); Moda em Sintonia (2010) Corpo no cinema Variações do Feminino(2009), artigos e capítulos publicados sobre Moda, Comunicação e Cultura.


Suzana Barreto Martins
Instituições de vínculo: Universidade Estadual de Londrina

É designer, ergonomista, pesquisadora na área de Design para Sustentabilidade e Inovação. Pós- doutorado em Design Sustentável - Universidade Federal do Paraná; Doutorado em Engenharia de Produção - Universidade Federal de Santa Catarina; Mestrado em Ergonomia e Especialização em Materiais e Processos Têxteis - Universidade Nacional Autônoma do México – UNAM; Graduação em Desenho Industrial - Universidade Federal do Paraná. Pesquisadora e docente Adjunto D no departamento de Design da Universidade Estadual de Londrina - UEL. Colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Design da Universidade Federal de Pernambuco; Programa de Pós-Graduação em Design da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa – ULisboa; Programa de Pós-Graduação da Escola de Engenharia Têxtil da Universidade do Minho. Criadora da Metodologia OIKOS, metodologia de avaliação de usabilidade e conforto do vestuário e autora de inúmeros artigos publicados em congressos, periódicos qualis, capítulos de livros, nacionais e internacionais. É integrante de Comitês Científicos de congressos na área de design, ergonomia e sustentabilidade. Coordena o Grupo de Trabalho Moda, Sustentabilidade e Inclusão do Colóquio de Moda; o grupo de pesquisa Design, Sustentabilidade e Inovação cadastrado no CNPq e o projeto de pesquisa do departamento de design da UEL Modelo interdisciplinar de inovação e P&D em novos materiais, produtos e negócios a partir de resíduos com ênfase em design para a sustentabilidade contemplado com fomento da Fundação Araucária, com algumas patentes de invenção depositadas com potencial de inovação. Participa da rede LeNS (Learning Network on Sustainability), e é colaboradora no projeto International Learning Network on Sustainability (LeNSin), financiado pelo Programa Erasmus da União Europeia.


Claudio Pereira de Sampaio
Instituições de vínculo: Universidade Estadual de Londrina

É designer e mestre em Design (UFPR), especialista em Gestão Estratégica de Design (UEL) e doutorando em Design pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Atua como professor no Curso de Graduação em Design Gráfico e nos Cursos de Especialização em Gestão Estratégica de Design (UEL) e Inovação e Design Digital (UEL), e é coordenador do Escritório de Design da Aintec (EDn). É pesquisador em Design desde 2004, tendo integrado o Núcleo de Design e Sustentabilidade da UFPR (NDS/UFPR), até 2010, onde desenvolveu seu mestrado. Coordena, juntamente com a profª Drª Suzana Barreto, o grupo de pesquisa Design, Sustentabilidade e Inovação cadastrado no CNPq e o projeto de pesquisa do departamento de design da UEL, Modelo interdisciplinar de inovação e P&D em novos materiais, produtos e negócios a partir de resíduos com ênfase em design para a sustentabilidade. Seus principais temas de interesse são a sustentabilidade, inovação e gestão da criatividade e grupos criativos em produtos e serviços e sua aplicação no ensino de Design. Tem cerca de 40 artigos científicos publicados, sendo a maior parte nestes temas, e é associado e colaborador da rede LeNS (Learning Networking on Sustainability) e do projeto International Learning Network on Sustainability (LeNSin). Em 2008 obteve o 2º lugar no Prêmio Nacional Guia do Estudante, na categoria Sustentabilidade, com um projeto para inserção da sustentabilidade nos cursos de Design da Universidade Positivo (UP), em Curitiba, onde também atuou como professor e coordenador do curso de Especialização em Ecodesign. Além da atuação acadêmica, atua profissionalmente desde 1987, tendo trabalhado em diversas empresas de design e arquitetura no Paraná e em São Paulo, em áreas como arquitetura, feiras e eventos, mobiliário, merchandising, computação gráfica, sinalização, identidade visual, ilustração manual/digital, embalagem, maquetes e modelos. Como coach, iniciou em 2017 um programa de coaching para jovens estudantes de design (www.4dyou.com.br), onde oferece orientação sobre como planejar a carreira profissional, com uso de uma metodologia exclusiva desenvolvida por ele.


  • ALLWOOD, J. M., Laursen, S. E., Rodríguez, C. M. de, Bocken, N. M. P. (2006). Well dressed? The present and future sustainability of clothing and textiles in the United Kingdom. University of Cambridge Institute for Manufacturing. Mill Lane, Cambridge, UK. ISBN 1-902546-52-0.
  • BONINI, L. A., Sbragia, R. O Modelo De Design Thinking Como Indutor da Inovação nas Empresas: Um Estudo Empírico. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 2, n. 1, p 03-25, jan./jun. 2011.
  • BERLIN, Lilyan.Moda e Sustentabilidade , uma reflexão necessária. São paulo: Estação das letras e cores, 2012.
  • BROWN, T. Design Thinking: Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. São Paulo: Campus, 2010.
  • DE CARLI, Ana Mery Sehbe; MANFREDINI Mercedes Lusa (org). Moda em Sintonia. Caxias do Sul, EDUCS, 2010.
  • DE CARLI, A. M. S.; VENZON, B. S. Moda sustentabilidade e emergências. (2ed.) Caxias do Sul; EDUCS, 2016.
  • FLETCHER, Kate & GROSE, Linda Moda & sustentabilidade – Design para mudança. São Paulo: Ed. SENAC. 2011.
  • FINOCCHIO Junior, J. Project Model Canvas - Gerenciamento de Projetos Sem Burocracia; Editora: Elsevier Campu, 2013.
  • GWILT, Alison. Moda Sustentável - Um guia prático. São Paulo: Ed. G. Gili,2014.
  • HALEN, C., VEZZOLI, C., WIMMER, R. (2005). Methodology for product service system innovation: How to implement clean, clever and competitive strategies in European industries, Royal Van Gorcum: Assen.
  • LOCKWOOD, T. (2006). Design thinking: Integrating innovation, customer experience, and brand value. New York: Allworth Press.
  • MANZINI, E., VEZZOLI, C. O Desenvolvimento de Produtos Sustentáveis. São Paulo: Edusp, 2002.
  • MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2014). Diagnóstico do Design Brasileiro. Documento elaborado pela Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e Centro Brasil Design. Brasília, Governo Federal.
  • Osterwalder, A. Pigneur, Y. Business Model Generation – Inovação em modelos de negócios: um manual para visionários, inovadores e revolucionários. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011.
  • Osterwalder, A., Pigneur, Y., Bernarda, G., Smith, A. Value Proposition Design. Trad. Bruno Alexander, ilustrado por Trish Papadakos. São Paulo: HSM do Brasil, 2014.
  • SALCEDO, Helena. Moda ética para um futuro sustentável.São Paulo: Ed. G. Gili, 2014.
  • Sibbet, D. Equipes visuais: Ferramentas gráficas para comprometimento, inovação e alta performance, Rio de Janeiro: Alta Books, 2015.
  • VEZZOLI, Carlo. Design de sistemas para a sustentabilidade. Salvados: EDUFBA, 2010.
  • VEZZOLI, C., KOHTALA, C., SRINIVASAN, A. (2014). Product-Service System Design for Sustainability. LeNS Learning Networking on Sustainability. Sheffiled, UK: Greenleaf Publishing. Available at http://www.lens.polimi.it/uploads/award/9781909493698_web.pdf. Accessed Jul. 20, 2016.

| TRAJE DE CENA: ONTEM, HOJE E SEMPRE

A proposta do Grupo de Trabalho Traje de Cena é reunir pesquisadores interessados na investigação da produção de trajes no âmbito das artes cênicas em geral, o que envolve teatro, cinema, televisão, circo, dança, ópera e os diversos tipos de performance. Este ano, desejamos também receber pesquisadores da área de traje de folguedos, tão próximos muitas vezes dos trajes de cena. Serão aceitos trabalhos de pesquisa experimental e/ou estudos analítico-críticos, empregando referenciais teóricos oriundos de diferentes áreas do conhecimento.


Prof. Dr. Fausto Viana

Instituições de vínculo: Universidade de São Paulo

Fausto Viana é pesquisador de indumentária, moda e trajes de cena. É professor de cenografia e indumentária na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) e da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. É mestre em moda e em teatro, doutor em artes e em museologia e fez pós-doutorado em conservação de trajes e em moda. Fez sua livre–docência na Escola de Comunicações e Artes da USP sobre o trabalho do cenógrafo Campello Neto. Organiza exposições de trajes e cria trajes de cena para espetáculos teatrais. É autor de diversos livros, entre eles Dos cadernos de Sophia Jobim... Desenhos e estudos de história da moda e da indumentária.


Prof. Dra. Carolina Bassi de Moura
Instituições de vínculo: Universidade Federal do Rio de Janeiro - UNIRIO

Carolina Bassi de Moura é pesquisadora de trajes de cena, cenografia e direção de arte. É professora de indumentária da Escola de Teatro do Centro de Letras e Artes (CLA) da UNIRIO. É mestre e doutora em artes cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da USP, investigando no mestrado a construção plástica do personagem no cinema (a partir da obra de Federico Fellini) e, no doutorado, o papel da direção de arte no audiovisual (a partir da obra de Luiz Fernando Carvalho). Figurinista, cenógrafa e diretora de arte em teatro e cinema. É co-organizadora do livro Traje de cena, traje de folguedo em parceria com Fausto Viana.


Prof. Dr. Dalmir Rogerio Pereira
Instituições de vínculo: Universidade Anhembi Morumbi

Dalmir Rogerio Pereira é cenógrafo, figurinista e atua na área do teatro de formas animadas. É mes¬tre e doutor em artes cênicas pela ECA/USP, onde pesquisou o traje de cena no teatro de bonecos a partir do trabalho das companhias Royal de Luxe (França) e Giramundo (Brasil). É professor de cenografia e traje de cena na Universidade Anhembi Morumbi.


  • ANDERSON, Barbara & Cletus. Costume Design. Orlando: Harcourt Brace College Publishers, 1999.
  • BARBA, Eugênio e SAVARESE, Nicola. A Arte Secreta do Ator. São Paulo: HUCITEC, 1995.
  • Italiano, Isabel; VIANA, Fausto; BASTOS, Desirée. ARAÚJO, Luciano. Para vestir a cena contemporânea: moldes e moda no Brasil do século XIX. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • MUNIZ, Rosane. Vestindo os nus; O figurino em cena. SENAC Rio, 2004.
  • PECKTAL, Lynn. Costume Design- Techniques of Modern Masters. New York: Back Stage Books, 1999.
  • VIANA, Fausto. O figurino teatral e as renovações do século XX. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.
  • VIANA, Fausto. O traje de cena como documento. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • VIANA, Fausto e BASSI, Carolina (orgs.). Traje de cena, traje de folguedo. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.
  • VIANA, Fausto e PEREIRA, Dalmir Rogerio. Figurino e cenografia para iniciantes absolutos. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • VIANA, Fausto e MUNIZ, Rosane (orgs.). Diário de pesquisadores: traje de cena. Estação das Letras e Cores, 2012.

| PRÁXIS DE MODA - ANÁLISE CRÍTICA DAS PRÁTICAS DO DESIGN DE MODA

Este GT se propõe a ser um espaço para a discussão e reflexão crítica de questões relacionadas às práticas do design de moda, a partir do estudo, análise e aplicação, principalmente, de fundamentações teóricas do campo da sociologia e da filosofia, e do campo do design e da moda. Mais do que uma análise instrumental dos processos de criação e produção do objeto do vestuário vinculado à noção de moda, este GT se propõe a refletir e analisar criticamente noções e valores que influenciam e interferem na constituição das práticas, analisando desde a maneira como estas práticas são constituídas, ensinadas e reproduzidas até a interferência delas na relação concreta com o mercado. Assim, entendemos a Práxis como uma relação dinâmica entre teoria e prática, que interfere e transforma ambos estes elementos dentro de um campo específico, ou seja, de um espaço social definido. Cabem dentro do escopo deste GT, por exemplo, os estudos sobre os valores e noções que envolvem tanto o processo criativo do designer de moda, quanto o processo produtivo do objeto do vestuário; sobre a dicotomia entre a produção autoral e a produção coletiva do objeto de moda; sobre a dicotomia entre a noção de objeto de moda e objeto vinculado ao mercado; sobre a delimitação entre o objeto novo, a cópia e o objeto baseado em referências; sobre a questão do uso literal de tendências de moda, ou da pesquisa sobre os movimentos sociais como ferramenta de trabalho para o designer; sobre a relação da estrutura e funcionamento do campo na legitimação da atividade do designer de moda e da sua produção; sobre a influência do processo de formação do designer de moda nas suas práticas; sobre a relação entre os valores e noções do campo do design na prática de desenvolvimento de objetos do vestuário.


Aline Monçores

Instituições de vínculo: Universidade Veiga de Almeida - UVA-RJ

Doutora em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2012), e Mestre em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2006), especialista em Marketing Pela Universidade Anhembi Morumbi (2005) e Bacharel em Moda pela Universidade Veiga de Almeida (1999). Atualmente é professora da graduação e coordenadora de curso na Universidade Veiga de Almeida-RJ, professora da graduação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, professora na especialização na Escola Superior de Propaganda e Marketing-RJ e na Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase em MODA, atuando principalmente nos seguintes temas: moda, comportamento, design, tendências, consumo e cultura.


Deborah Chagas Christo
Instituições de vínculo: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Doutora em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Mestre em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e Bacharel em Desenho Industrial pela Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atuou por dezoito anos como Designer de Produto e Designer Gráfica. A partir de 2004 passou a atuar também como professora e pesquisadora na área de Design de Moda. Foi Coordenadora do Bacharelado em Design - Habilitação Moda da Faculdade SENAI/CETIQT, no Rio de Janeiro, e professora dos cursos de Bacharelado em Design - Habilitação Moda, de tecnologia em Produção do Vestuário - ênfase Modelagem, de pós-graduação em Design de Moda e de pós-graduação em Design de Estamparia da mesma faculdade. Foi professora do curso de Bacharelado em Design da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), do curso superior de Moda da Universidade Veiga de Almeida do Rio de Janeiro (UVA-RJ) e do curso de pós-graduação em Design Estratégico do Istituto Europeo de Design (IED). É autora do livro “Estrutura e Funcionamento do Campo de Produção de Objetos do Vestuário no Brasil”; da Editora Estação das Letras e Cores, participou do livro “Design de Moda: Diversos olhares”, organizado por Dorotéia Pires, da Editora Estação das Letras e possui diversas publicações em congressos e simpósios. Tem como interesse a pesquisa sobre a relação entre o campo da Arte, do Design e da Moda.


  • BECKER, Howard Saul. Art Worlds. Bekerley e Los Angeles: University of California Press, 2008.
  • _________ . Falando da sociedade: ensaio sobre as diferentes maneiras de representar o social. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2009.
  • BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1999.
  • _________ . A produção da crença: Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2004.
  • _________ . A distinção: Crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.
  • CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2006.
  • CHRISTO, Deborah Chagas. Estrutura e funcionamento do campo de produção de objetos do vestuário no Brasil. São Paulo: Ed. Das Letras e Cores, 2016.
  • FORTY, Adrian. Objetos de desejo: Design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
  • HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
  • HARVEY, David. Condição Pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2001.
  • MENDONÇA, Flavia; MONÇORES, Aline. Estudo de Tendências – um método projetual ou um banco de dados?. In: Dobras, V.8, n.18, 106-112. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • MONÇORES, Aline. O lugar da Tendência - O Novo e a Novidade. In: Consumo: Práticas e Narrativas, p.17-27. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011.
  • MORIN, E. A religação dos saberes. O desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
  • SABRÁ, Flávio Glória Caminada. Os agentes sociais envolvidos no processo criativo no desenvolvimento de produtos da Cadeia Têxtil. São Paulo: Ed. Das Letras e Cores, 2016.
  • SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros escritos. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições Texto & Grafia Lta, 2008.
  • SVENDSEN, Lars. Moda, uma filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

| MODELAGEM, CONSTRUÇÃO E ESTUDOS DA FORMA

O GT propõe discussões, reflexões, e análises sobre os temas de estudos da forma, como construção, desconstrução e técnicas de percepção; estudo de métodos e técnicas de modelagem do vestuário; história da modelagem e de seus métodos; concepção e expressão de conceitos e soluções formais por meio da modelagem; discussão de alternativas para a configuração formal dos produtos; reflexões sobre a modelagem integrada ao processo criativo; modelagem criativa; estudo da relação espaço-corpo no desenvolvimento dos produtos; estabelecimento de relações entre forma, estrutura e função dos produtos no desenvolvimento da modelagem; estratégias e recursos de construção para a materialização de produtos; experimentação de materiais e implicações técnicas, construtivas e ergonômicas na modelagem e construção dos produtos, segundo aspectos de adequação dimensional, conforto, vestibilidade e consumo de matéria prima; modelagem zero waste; técnicas de interpretação de modelos; inovação formal; tecnologias e inovações envolvidas nos processos de modelagem; investigações antropométricas; teorias e práticas no ensino da modelagem.


Patrícia de Mello Souza

Instituições de vínculo: Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Pesquisadora e docente na Universidade Estadual de Londrina (UEL), atualmente é bolsista Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico da Fundação Araucária. Investiga a modelagem, especialmente a tridimensional, como instrumento de criação de produto e como técnica determinante no estudo da forma e de novos processos e estratégias de construção para o vestuário de moda; adota a cross fertilization como método gerador de inovação. Pesquisa e explora alternativas que vinculam o aprendizado sobre o comportamento de materiais ao ensino da modelagem. Possui pós-doutorado em Fashion Design pelo Politecnico di Milano; doutorado e mestrado em Design pela Universidade Estadual Paulista; especialização em Moda pela UNERJ; e bacharelado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Paraná.


Isabel Cristina Italiano
Instituições de vínculo: Universidade de São Paulo (ECA-USP)

Professora e pesquisadora do curso de Têxtil e Moda, na Universidade de São Paulo. Desenvolve pesquisas relacionadas à história da modelagem e da indumentária, métodos de modelagem, ensino de modelagem e processos de construção do vestuário, além de pesquisas multidisciplinares, desenvolvendo e aplicando tecnologia digital ao universo da modelagem e construção de trajes, nas áreas de automatização de processos de modelagem, têxteis eletrônicos (e-textiles), computadores vestíveis (wearable computers), em busca de produtos inovadores. Tem formação interdisciplinar, com pós-doutorado em história da indumentária (e sua modelagem), doutorado e mestrado em ciência da computação, todos pela Universidade de São Paulo.


  • AGKATHIDIS, A.; SCHILLIG, G. (Ed.).Performative Geometries: transforming textile techniques. Amsterdam: BIS, 2010.
  • ALDRICH,W.. Fabric, form and flat pattern cutting. New York: Blackwell, 2007.
  • ________. Modelagem plana para moda feminina. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2014.
  • ARMSTRONG, H.J.. Draping for appared design. New York: Fairchild Publications, 2000.
  • ______________. Patternmaking for fashion design. 4ª ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall, 2006.
  • ARNOLD, J.. Patterns of fashion 1: englishwomen’s dresses and their construction c.1660-1860. Hollywood: Quite Specific Media Group Ltd., 1972.
  • ________. Patterns of fashion 2: englishwomen’s dresses and their construction c.1860-1940. Hollywood: Quite Specific Media Group, 1972b.
  • BAUMGARTEN, l.; WATSON, J.. Costume close-up: clothing construction and pattern 1750-1790. Williamsburg: Colonial Williamburg foundation, 1999.
  • BURGO, F.. Il Modelismo - tecnica del modello sartoriale e industriale. Milão: Istituto di Moda Burgo, 1992.
  • COSTA, C.Z.. Além das formas: introdução ao pensamento contemporâneo no design, nas artes e na arquitetura. São Paulo: Annablume, 2010.
  • DAVIS, R. I.. Men’s garments 1830-1900: a guide to pattern cutting and tailoring. Studio City: Players Press, Inc., 1994, 2ª ed.
  • DOMINONI, A.; TEMPESTI, A.. Forma e materia: design e innovazione per il tessile italiano. Milano: Maggioli, 2012.
  • DUARTE, S.; SAGGESE, S.. Modelagem industrial brasileira. Rio de Janeiro: Guarda Roupa, 2010.
  • ________. Modelagem industrial brasileira: saias. Rio de Janeiro: Guarda Roupa, 2011.
  • DUBURG, A.; VAN DER TOL, R.. Moulage: arte e técnica no design de moda. Porto Alegre: Bookman, 2012.
  • FISCHER, A.. Fundamentos de design de moda: construção de vestuário. Porto Alegre : Bookman, 2010.
  • FULCO, P.T.; SILVA, R.L.A.. Modelagem plana masculina. 2a reimpressão. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, 2007
  • ________. Moldes femininos: noções básicas. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, 2008.
  • GRAVE, M. F.. A modelagem sobre a ótica da ergonomia. São Paulo: Zennex, 2004.
  • HEINRICH, D. P.. Modelagem e técnicas de interpretação para confecção industrial. Novo Hamburgo: Feevale , 2005.
  • HODGE, B. (Org.). Skin + bones: parallel practices in fashion and architecture. Londres: Thames & Hudson, 2007.
  • ITALIANO, I.; VIANA, F. (Orgs.). Para vestir a cena contemporânea: moldes e moda no Brasil do século XIX. Isabel Italiano, Fausto Viana: coords. Desirée Bastos, Luciano Araújo. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.
  • JAFFE, H.; RELIS, N.. Draping for Fashion Design. New York: Pearson Prentice Hall, 2005.
  • MARTÍN, M. S.. Materiali innovative per la moda. Modena: Logos, 2010.
  • NAKAMICHI, T.. Pattern Magic 1. São Paulo: GG Moda, 2012.
  • ________. Pattern Magic 2. São Paulo: GG Moda, 2012.
  • MACLOCHLAINN, J.. The Victorian Tailor: an introduction to period tailoring. New York: St. Martin’s Griffin, 2011.
  • ROSA, S.. Alfaiataria: modelagem plana masculina. Brasília: SENAC-DF, 2009.
  • ROSE, S.. Patternmaking: comprehensive reference for fashion design. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2004.
  • SABRÁ, F. (Org.). Modelagem: tecnologia em produção de vestuário. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2009.
  • SALTZMAN, A.. El cuerpo diseñado: sobre la forma en el proyecto de la vestimenta. Buenos Aires: Paidós, 2004.
  • SILVA, F. J.. Forma : uma experiência tridimensional. Birigui : Boreal, 2005.
  • SOUZA, P. M.; MENEZES, M.S.. Aplicativos de construção no desenvolvimento do produto de moda. In: PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. S.(Orgs.). Design: questões de pesquisa. Rio de Janeiro: Rio Books, 2010.
  • VIANA, F.; ITALIANO, I.; BASTOS, D.; ARAÚJO, L.. Para meninos, meninas e suas bonecas: moldes e moda para crianças no Brasil do século XIX. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.
  • VYZOVITI, S.. Supersurfaces: folding as a method of generating forms for architecture, products and fashion. Amsterdam: BIS, 2008.
  • WAUGH, N. Corsets and crinolines. Abingdon: Theatre Art Books, 1954.
  • ________. The cut of men’s clothes: 1600 – 1900. London: Faber and Faber Ltd., 1964.
  • ________. The cut of women’s clothes: 1600 – 1930. Great Britain: Theatre Arts Books, 1968.

| A DIMENSÃO ESTÉTICA DA MODA APARENCIA, ARTE E SENSIBILIDADE

Na contemporaneidade, observamos uma necessidade de exibição de uma aparência singularizada ao extremo. O desejo de modelar uma silhueta corporal singular revela novos valores e promove configurações diferenciadas das subjetividades e também da sociedade. Decerto, nossas roupas e adornos se revestem de dimensões lúdicas, simbólicas e emocionais que habitam nossos corpos. Esse intenso diálogo entre as vestimentas e o corpo, auxilia na constituição de personas que oferecem ao olhar diversos perfis de uma mesma pessoa no decorrer da existência. Nessa perspectiva, o GT se interessa por investigações que se debrucem sobre a poética performativa do esquema corporal, pelo entrelaçamento entre o corpo, a moda e a arte, evidenciando aspectos da criatividade e sensibilidade humanas, capazes de despertar sentimentos e emoções variadas, promovendo uma verdadeira experiência estética.


Profa. Dra. Beatriz Pires Ferreira

Instituição de vínculo: EACH/USP

Arquiteta, artista visual, professora e pesquisadora do Curso de Têxtil e Moda da EACH/USP. Possui Pós-Doutorado (Bolsa Fapesp/2009) pelo programa “Moda, Cultura e Arte” - Centro Universitário SENAC-SP. Doutorado (Bolsa Fapesp/2006) em “Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte”- FE/Unicamp. Mestrado (Bolsa CNPq/2001) - IA/Unicamp. Autora dos livros: “O Corpo como Suporte da Arte”. SENAC, 2005; “Corpo Inciso, Vazado, Transmudado - Inscrições e Temporalidades”. Annablume/FAPESP, 2009.


Profa. Dra. Renata Pitombo Cidreira
Instituições de vínculo: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (UFBA)

Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA (2003), onde também fez o mestrado (1997) e graduou-se em jornalismo (1992). Em 2011 fez pós-doutorado em Sociologia no Centro de Estudos sobre o Atual e o Cotidiano, da Université René Descartes (Paris V – Sorbonne), onde também cumpriu estágio doutoral em 2001. Entre 2003 e 2006 coordenou o curso em Comunicação e Produção de Moda da FTC Salvador. Atualmente é professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e líder do grupo de pesquisa Corpo e Cultura (UFRB).


  • BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.
  • CIDREIRA, Renata Pitombo. Os sentidos da moda. São Paulo: Annablume, 2005.
  • CIDREIRA, Renata Pitombo. As formas da moda. São Paulo: Annablume, 2013.
  • COCCIA, Emanuele. La vie sensible. Traduit de l’italien par Martin Rueff. Paris: Éditions Payot & Rivages, 2010.
  • DEWEY, John. Arte como experiência. Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
  • LE BRETON, David. L’Adieu au corps. Paris: Éditions Métaillé, 1999.
  • McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Editora Cultriz Ltda., 1964.
  • MERLEAU-PONTY, Maurice. O corpo In Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1994. p 111-278.
  • PAREYSON, Luigi. Estética: Teoria da Formatividade. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: RJ: Vozes, 1993.
  • PIRES, Beatriz Ferreira. O corpo como suporte da arte. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2005.
  • PIRES, Beatriz Ferreira. Corpo inciso, vazado, transmudado. São Paulo: Annablume, Fapesb, 2009.
  • SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros escritos. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições Texto & Grafia Lta, 2008.
  • VALVERDE, Monclar. Corpo e sensibilidade In Estética da comunicação. Salvador, Quarteto, 2007.
  • BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.
  • CIDREIRA, Renata Pitombo. Os sentidos da moda. São Paulo: Annablume, 2005.
  • CIDREIRA, Renata Pitombo. As formas da moda. São Paulo: Annablume, 2013.
  • COCCIA, Emanuele. La vie sensible. Traduit de l’italien par Martin Rueff. Paris: Éditions Payot & Rivages, 2010.
  • DEWEY, John. Arte como experiência. Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
  • LE BRETON, David. L’Adieu au corps. Paris: Éditions Métaillé, 1999.
  • McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Editora Cultriz Ltda., 1964.
  • MERLEAU-PONTY, Maurice. O corpo In Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1994. p 111-278.
  • PAREYSON, Luigi. Estética: Teoria da Formatividade. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: RJ: Vozes, 1993.
  • PIRES, Beatriz Ferreira. O corpo como suporte da arte. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2005.
  • PIRES, Beatriz Ferreira. Corpo inciso, vazado, transmudado. São Paulo: Annablume, Fapesb, 2009.
  • SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros escritos. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições Texto & Grafia Lta, 2008.
  • VALVERDE, Monclar. Corpo e sensibilidade In Estética da comunicação. Salvador, Quarteto, 2007.

| ESTÉTICA & ÉTICA

Levando em conta as novas dinâmicas que se estabelecem no cenário atual, em especial percebidas pelas redes sociais, vê-se no universo da moda, várias possibilidades relevantes de diálogos para a sociedade. Tal cenário pós- moderno, marcado por comportamentos e identidades fluídas, apontam para a necessidade de uma criticidade, sem juízo de valores nas interpretações dos fatos contemporâneos. Assim, tem-se como exemplos, os estudos de gênero e sexualidade como foco de mercado; o trabalho análogo a escravidão gerada pela indústria têxtil; os plágios identificados em lançamento de produtos e que apontam para certas fragilidades no campo da ética; a apropriação cultural como forma de reivindicação no vestir e no criar; a concepção da esfera da cultura material como referenciais identitários; as campanhas publicitárias denunciadas pelo CONAR; as formas de compulsões de consumo; as relações de poder convencionalmente estabelecidas em empresas, além de uma série de vertentes que também entendem a apropriação do corpo como uma ferramenta sócio- política, e discursos atravessados pela esfera dos direitos humanos.


Marina Cezar

Instituições de vínculo: Universidade Feevale

Marina é graduada em Tecnologia em Moda e Estilo (UCS), especialista em Cultura de Moda (Anhembi Morumbi/SP), mestre em Moda, Cultura e Arte (SENAC/SP) e doutora em Ciências Sociais (Unisinos), no qual foi bolsista do projeto de pesquisa de cooperação internacional Dinâmicas de Gênero em Cabo Verde (CAPES). Autora do livro ‘Moda e Religião: códigos estéticos da devoção’ e em andamento, o ‘Moda e Gênero: o corpo político e a construção da aparência binária’. Escreve e leciona para universidades da região pela graduação e pós, com enfoque sobre cultura de moda, tendências de comportamento de consumo, estudos de gênero e noções da ética. Vinculada pelo Curso de Moda na Universidade Feevale desde 2003, onde também trabalha em projetos de extensão com pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social.


Gisele Becker
Instituições de vínculo: Unisinos

Gisele possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1998), mestrado em História do Brasil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001) e doutorado em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007). Atualmente é professora da Unisinos e coordena o curso de Moda. Possui experiência na área de Educação, com ênfase em História, atuando principalmente junto a projetos e disciplinas de pesquisa e patrimônio histórico, história da Arte, do design e História da Moda.


  • BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. 2ª ed. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.
  • BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
  • BOUDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniel Kern e Guilherme J. F. Teixeira. – 1º reimpr. – São Paulo: EDUSP; Porto Alegre: Zouk, 2008.
  • BRETON, David Le. A Sociologia do corpo. Tradução de Sonia M. S. Fuhrmann. 4ª ed. – Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2010.
  • FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
  • GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bendeira de Mello Leite Nunes. 4ª ed. – [Reimpr.]. – Rio de Janeiro: LTC, 2012.
  • LOURO, Guacira Lopes [org.]. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva – 3º ed.; 2º reimp. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.
  • MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Tradução de Bertha Halpern Gurovitz. 4ª ed. – Petrópolis: Editora Vozes, 2010.
  • MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
  • PRECIADO, Beatriz. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.
  • RODRIGUES, José Carlos. Tabu do corpo. 7ª ed. rev. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006. – (Coleção Antropologia e saúde).
  • TIBURI, Marcia. Filosofia Prática: ética, vida cotidiana, vida virtual. 3ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 2016.
  • WEIL, Pierre. LELOUP, Jean-Yves. CREMA, Roberto. Normose – a patologia da normalidade. 5ª ed. – Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2014. – (Coleção Unipaz: Colégio Internacional dos Terapeutas).

| Diretrizes e Modelo de Artigo para o Colóquio de Moda 2017

  REALIZAÇÃO

APOIO

BUSCA NO SITE

NEWSLETTER